Como deve ser a lancheira das crianças

lancheira

Por: Joyce Trajano




As aulas voltaram e com elas um pequeno dilema retornou: o que levar na lancheira escolar? Para muitas mães, esta é uma questão carregada de muitas dúvidas e angústias.


Muito se fala em dieta saudável e equilibrada. Segundo os especialistas o ideal é oferecer aos pequenos um lanche saboroso e nutritivo. Entretanto, no meio de tantas informações sobre o assunto, fica fácil para as mães se perderem.

Na teoria, a proposta da dieta saudável é simples, mas, na prática ela pode causar muitas confusões, principalmente, quando o ponto é o que pode ser levado na lancheira. Não basta decorar a pirâmide alimentar, pois na hora de ir ao mercado muitas dúvidas surgem.


Bom, primeiro vamos entender o que é uma dieta saudável.

Segundo os especialistas da área, ela é uma alimentação na qual deve-se comer bem e de forma equilibrada para que os adultos possam manter o peso ideal e as crianças possam se desenvolver bem física e intelectualmente.

Para tanto é preciso saber que uma dieta saudável atinge cinco pontos importantes, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde). São eles:

- Amamentar a criança até os seis meses de vida;

- Comer alimentos variados;

- Consumir muitos vegetais e frutas;

- Moderar na quantidade de gorduras e óleos;

- Evitar o excesso de ingestão de sal e açúcar.

Além disso, uma dieta saudável deve ser composta de proteínas, carboidratos, gorduras, fibras e outros minerais, como também deve ser rica em vitaminas.


Mas, o lanche escolar merece uma atenção especial, pois é uma refeição considerada intermediária, já que está entre o café da manhã - que deve ser reforçado para que a criança possa aguentar a jornada da manhã ou tarde de estudos – e o almoço. Por isso, ele não precisa ser pesado e, sim, equilibrado para oferecer a energia suficiente para os pequenos.


Leia também:


Bisfenol A - O vilão dos plásticos!
Hábitos alimentares - quando eles surgem?
Por que meu bebê chora tanto?


O lanche ideal deve conter uma porção de carboidratos (energia), uma porção de lácteos (proteínas), uma porção de frutas (vitaminas e fibras) e uma bebida (hidratação). Em contrapartida, alimentos como refrigerantes e salgadinhos devem ser evitados, pois eles contêm as ditas calorias “vazias”.


É lógico que a preferencia entre a maioria da meninada é o lanche recheado de bobagens, mas é possível entrar em acordo com elas e definir um dia da semana para esse tipo de lanche. Nos outros dias, procure enviar uma alimentação mais nutritiva. Com o tempo é possível observar que as próprias crianças optam pela refeição mais saudável. Geralmente, elas demonstram certa resistência na alimentação mais saudável porque os adultos não apresentam tal possibilidade para elas.


Outra dica importante, é incluir os pequenos no processo de compra do lanche - sempre acompanhada de uma boa conversa - mostrando o porquê da escolha de determinado alimento e não de outro.


Conquistada a simpatia dos pequenos pela alimentação saudável, chegou a hora de pensar na conservação dos mesmos na lancheira. A seguir, elencamos algumas dicas funcionais para manter os alimentos frescos e conservados:

- Opte por lancheiras térmicas, pois elas conseguem manter o alimento conservado no período de duas a quatro horas;

- Para garantir um resfriamento extra na lancheira, coloque uma garrafinha de água congelada junto com os alimentos. Esta simples solução aumenta a capacidade de conservação dos alimentos;

- Evite enviar alimentos como patês e embutidos, pois são itens que estragam com mais facilidade (principalmente nos dias mais quentes);

- Verifique sempre o estado da lancheira. Se aparecer algum rasgo, o ideal é providenciar outra (principalmente no caso das térmicas);

- A limpeza da lancheira também é importante para a boa manutenção dos alimentos. Alimentos que não são consumidos no período apropriado não devem ser guardados para o dia seguinte, muito menos na lancheira – pois dessa forma não há bolsa térmica que suporte.


Comentários:





Saiba mais sobre:

tdah-2